Ponto de Vista – nº1 – abril 2017

ARP

Associação de Retinopatia de Portugal

Ponto de Vista

Boletim Informativo da ARP | n.º 1 – abril 2017 – Trimestral

EDITORIAL por Paulo Pontes (Presidente da Direção)

Esta é a primeira edição do “Ponto de Vista”, o novo boletim informativo trimestral da ARP. Ao lançar esta publicação, a nova Direção tem como grande objetivo dar a conhecer, não só as atividades desenvolvidas, mas também as novidades no campo da deficiência e da saúde visual. Pretendemos que os nossos associados se sintam cada vez mais próximos da sua Associação e, por isso, é nossa meta que este espaço seja um eco de quem nos lê, apelando, desde já, à sua participação sobre temas de interesse global. Os textos selecionados farão parte de um espaço intitulado “A Voz do Associado” que será parte integrante deste boletim. Este ano de 2017 será de extrema importância para a vida da ARP, uma vez que celebra 20 anos de existência. Pretendemos marcar esta efeméride com atividades, eventos e ações que recordem e reforcem os motivos pelos quais existimos: abraçar com toda a dedicação e energia a causa da promoção da saúde visual, do bem estar, da qualidade de vida independente e da inclusão social dos cidadãos com deficiência visual. Contamos consigo!

 

OLHAR OS NOSSOS PROJETOS

 

MÃO GUIA – GUIA-TE PARA A INCLUSÃO

 

A Associação de Retinopatia de Portugal e o Grupo Informal Mão Guia, estão a desenvolver em consórcio o projeto Mão Guia – Guia-te para a Inclusão, financiado pela Câmara Municipal de Lisboa através do programa BIP ZIP, dirigido prioritariamente às populações dos bairros do Vale de Alcântara em Lisboa. O projeto Mão Guia tem como missão fomentar a melhoria da qualidade de vida pela integração social e funcional de pessoas com deficiência, promovendo a sua equidade, bem-estar e socialização.
O projeto assenta em três grandes áreas de intervenção:
Saúde – Rastreios oftalmológicos gratuitos e sessões de sensibilização dos cuidados com a visão;
Emprego e Formação – Ações de formação certificadas em Empreendedorismo e Serviços para o Cuidado Animal;
Educação e Cidadania – Ações dirigidas a crianças e jovens do bairro, visando o incremento de Cidadania Ativa,

 

Entre os meses de dezembro de 2016 e janeiro de 2017 realizaram-se, na sede da Associação de Retinopatia de Portugal sessões de rastreios oftalmológicos e Ações de sensibilização para os cuidados da visão. As Ações de Formação Certificada em Empreendedorismo e Serviços para o Cuidado Animal são gratuitas e destinadas preferencialmente a maiores de 18 anos em situação de desemprego e residentes no Vale de Alcântara, estas ações decorrerão na sede da Associação de Retinopatia de Portugal. No âmbito da Educação e Cidadania, estão a ser desenvolvidos workshops com o objetivo de capacitar e sensibilizar as crianças e jovens, promovendo a sua participação social na dinâmica da vivência dos espaços públicos do bairro. Estes workshops visam ainda a sensibilização para a realidade da deficiência visual, permitindo aos participantes desta dinâmica, experienciar, através da simulação de diferentes patologias, a realização de diferentes atividades. Esta última fase inclui ainda a produção participada de um livro inclusivo para a deficiência visual.

 

UMA VISTA D’OLHOS

 

TOMADA DE POSSE DOS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ARP

 

Decorreu no dia 20 de dezembro de 2016, a assembleia eleitoral da ARP que elegeu os membros dos órgãos sociais para o quadriénio 2017-2020. Havendo uma única lista candidata, os membros que a compunham foram eleitos e tomaram posse a 6 de janeiro de 2017. O novo Presidente da Direção, Paulo Pontes, afirmou que pretende modernizar a ARP e torná-la “mais eficiente e eficaz na defesa e inclusão dos cidadãos com deficiência visual”. Na mensagem enviada aos associados manifestou, ainda, que a nova Direção da ARP está empenhada neste novo trabalho, e que o contributo dos associados é fundamental para que a Associação se torne mais forte. A nova equipa diretiva é constituída, também, por Ricardo Aires, Cláudia Guerreiro, Lúcia Mateus e Sandra Cação. Para a Mesa da Assembleia Geral foram eleitos Armindo Mourão (Presidente), António Vasconcelos e Carla Gomes. O Conselho Fiscal é agora composto pelos associados Rui Vasconcelos (Presidente), Patrícia Machado e Helena Aires.

 

ARP ASSINA A CARTA PARA A DIVERSIDADE

 

Foi com muito orgulho que a ARP assinou a Carta Portuguesa para a Diversidade. Esta carta consiste num documento assinado voluntariamente por entidades empregadoras de vários setores (público, privado, com e sem fins lucrativos). Ela descreve medidas concretas que podem ser tomadas para promover a diversidade e a igualdade de oportunidades no trabalho, independentemente do estado de saúde, deficiência, sexo, identidade de género, orientação sexual, etnia, religião, credo, território de origem, cultura, língua, nacionalidade, naturalidade, ascendência, idade, orientação política, ideológica ou social, estado civil, situação familiar, situação económica, estilo pessoal e formação. A ARP entende que valorizar as características, as competências e o talento de cada pessoa, promove a igualdade de tratamento e de oportunidades, combatendo estereótipos, discriminações e fomentando uma cultura de inclusão baseada no respeito pelo ser humano.

 

ARP MARCA PRESENÇA NA REUNIÃO PLENÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL PARA A INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

 

A ARP, enquanto membro desta comissão, fez-se representar, neste 21º plenário do CMIPD, por Paulo Pontes e Cláudia Guerreiro, Presidente e Secretária da Direção, respetivamente. Debateu-se o Plano de Acessibilidade Pedonal da cidade de Lisboa, com destaque para os semáforos acessíveis, o estacionamento para as pessoas com deficiência e a existência de um guia de turismo acessível em Lisboa. Foi apresentado o Programa Casa Aberta, que está em reformulação e resulta de uma parceria entre a CML e duas IPSS (Fundação Liga e Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa), cujos objetivos são a realização de obras de eliminação de barreiras arquitetónicas em casas municipais e particulares.

 

FILTROS RETINIANOS

A retina é uma membrana importante no processo visual onde acontece a transformação de estímulo luminoso em impulso nervoso. Na generalidade das doenças da retina, é comum assistirmos à degeneração das suas células fotoreceptoras conduzindo a uma diminuição lenta e progressiva da visão.

Os filtros retinianos, como dispositivos que bloqueiam a passagem de determinada parte do espectro, podem servir de grande ajuda em pacientes portadores de doenças como retinopatia pigmentar, acromatopsias e retinopatia diabética, melhorando o contraste e reduzindo o tempo de adaptação às condições de luminosidade. Existem vários filtros disponíveis e a sua escolha é variável consoante a necessidade de cada um. Recomenda-se que seja feita através da análise subjectiva, testando-o, o usuário durante algum tempo e verificando qual o mais confortável e que lhe dá melhor desempenho nas suas tarefas do dia a dia.

O Oculista Cristal de Ouro tem um mostruário com todas as possibilidades, bem como profissionais que o podem ajudar na escolha do filtro indicado para o seu caso. OCULISTA CRISTAL DE OURO – Av. República,10, 1º esq., Lisboa – Tel. 213190690

 

PRÉMIOS PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS

 

Os Prémios de 2016 foram atribuídos pelo Júri Nacional à praia de Valadares-Sul, do Concelho de Vila Nova de Gaia (1º Prémio) e praia fluvial de Avô, do Concelho de Oliveira do Hospital (2º Prémio).

Este ano, o Prémio “Praia Acessível – Praia para Todos”, tem por objetivo distinguir as praias nacionais que, já possuindo o galardão da bandeira “Praia Acessível” durante a época balnear, evidenciam as melhores condições de acessibilidade, assim como práticas de referência nacional, pela qualidade do usufruto da sua oferta de serviços e bem-estar que proporcionam às pessoas com mobilidade condicionada.

Decorreu até ao dia 31 de março o período de candidaturas ao Programa.

 

“DEFICIÊNCIA VISUAL E REABILITAÇÃO: SOLUÇÕES HOJE” FOI O TEMA ABORDADO PELA ARP NO FÓRUM DA VISÃO EM PORTUGAL ORGANIZADO PELO LIONS CLUBS INTERNATIONAL

 

No passado dia 11 de fevereiro, a ARP esteve no “Fórum Visão em Portugal” organizado pelo Lions Clubs International.

Num debate moderado por Carlos Nunes e Maria João Garcia, ambos elementos da entidade organizadora, foi discutida a problemática da saúde

visual, bem como as estratégias e potencialidades dos vários setores profissionais e dos doentes com problemas da visão. A abertura do Fórum coube a Raúl Amado, que referiu o destaque que a saúde visual assume na intervenção social que a instituição Lions, tão empenhadamente leva a cabo.

Após a intervenção da Secretária de Estado para a Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, seguiu-se um painel de oradores constituído por instituições e personalidades com profundos conhecimentos nas suas áreas de atuação, dando lugar a uma discussão sobre temas como a educação e prevenção, as inovações em oftalmologia, o acesso aos cuidados de saúde nos hospitais, o ensino do Braille e a baixa visão e reabilitação, entre outros.

A ARP esteve representada por Nádia Fernandes, ortoptista, com uma vasta experiência nas problemáticas da baixa visão, que apresentou o tema “Deficiência Visual e Reabilitação: Soluções Hoje”, destacando os produtos de apoio existentes para a reabilitação, no campo da deficiência visual, que contribuem para um melhor desempenho de algumas tarefas, nomeadamente de leitura e escrita.

Numa plateia com mais de uma centena de participantes, também os nossos associados estiveram presentes e puderam enriquecer os seus conhecimentos sobre a saúde da visão.

 

A ARP TORNOU-SE MEMBRO DA RACS – REDE ACADÉMICA DAS CIÊNCIAS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

 

Esta rede foi criada a 1 de setembro de 2016 com o objetivo de promover o intercâmbio e o desenvolvimento da cooperação no âmbito do ensino, da investigação e da inovação das ciências da saúde, bem como, proporcionar a formação ao longo da vida neste âmbito.

Ao tornar-se membro desta rede, a ARP pretende uma maior proximidade da comunidade cientifica com vista a difundir, junto dos seus associados, informação sobre a produção de conhecimentos científicos em ciências da saúde.

 

PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETIVO DO INSTITUTO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO (INR) RECEBE EM AUDIÊNCIA A DIREÇÃO DA ARP

 

Dando continuidade à relação institucional entre a ARP e o INR, a Direção da ARP, recentemente eleita, reuniu com o Presidente do Conselho Diretivo daquele instituto, Dr. Humberto Santos, tendo sido abordados temas como a Baixa Visão e a sustentabilidade financeira das ONGPD.

Foi ainda nossa intenção reforçar a necessidade de informar a sociedade sobre a Baixa Visão e o papel da reabilitação.

 

COM VI VER

 

VISITA AOS ESTÚDIOS E MUSEU DA RTP

 

Com o intuito de promover uma maior proximidade e envolvimento entre a Associação e os associados, a ARP está a promover atividades de caráter informativo e sociocultural com uma periodicidade bimestral. No mês de fevereiro a atividade realizada foi uma visita à RTP. Um grupo de associados da ARP teve o privilégio de conhecer por dentro os estúdios de rádio e televisão da estação mais antiga do país. Recorde-se que as emissões de rádio regulares, pela Emissora Nacional, se iniciaram em 1935 e as emissões nacionais de sinal de televisão começaram em 1957. Os nossos associados tiveram oportunidade de visitar o Museu da RTP, onde puderam testar os seus dotes radiofónicos, simulando a apresentação de um curto programa de rádio. Cada associado teve, também, a possibilidade de se colocar na pele de apresentador do Telejornal por alguns instantes. Esta visita foi, não só, uma viagem pelo mundo dos audiovisuais, mas sobretudo uma viagem pela história de Portugal, tendo sido possível reviver algumas emissões históricas de rádio e televisão e manipular alguns objetos do passado, como equipamentos de som e microfones.

 

ARP INAUGURA PERCURSO PEDONAL ACESSÍVEL EM LISBOA

 

Um grupo de associados da ARP, a convite da Câmara Municipal de Lisboa e do Plano de Acessibilidade Pedonal de Lisboa, marcou presença numa concentração no dia 22 de janeiro de 2017, com o intuito de proporcionar à comunidade de pessoas com deficiência, a utilização do novo percurso pedonal acessível que se estende de Entrecampos ao Marquês de Pombal. A criação deste percurso 100% acessível foi um projeto resultante de uma proposta feita ao abrigo do Orçamento Participativo do Município de Lisboa, que fora proposto por um grupo de associações. O eixo central da cidade conta agora com passeios mais largos, passadeiras rebaixadas, pavimento liso em coexistência com a calçada portuguesa, pavimento tátil para encaminhamento e alerta de pessoas com deficiência visual e semáforos sonoros.

 

APELOS

 

A RETINOPATIA PODE MELHORAR COM O IRS

 

Será entre 1 de abril e 31 de maio de 2017 que todos os contribuintes terão de efetuar a entrega da sua declaração anual de IRS, relativa aos rendimentos de 2016. Todos os cidadãos têm a possibilidade de consignar 0,5% do imposto que é pago ao estado a uma IPSS, sem qualquer encargo. Assim, solicitamos que contribua para a missão da ARP, com esta pequena parte do seu imposto. Para tal, deverá assinalar o quadro 11 do modelo 3 da sua declaração e inserir o nosso NIF: 504070924, para que a Associação de Retinopatia de Portugal possa receber o seu generoso contributo solidário. Agradecemos o seu apoio, que nos ajudará a cumprir a nossa missão, e apelamos a que colabore na divulgação deste gesto de cidadania ativa de âmbito social.

 

Ataraxia

Estudos e Serviços em Tecnologias de Informação, Lda.

Rua José Saramago, Nº 5 B – 1675-180 Pontinha

Tel. 21 145 20 50

Tlm: 93 887 09 39/ 91 465 38 37

site: www.ataraxia.pt

email: ataraxia@ataraxia.pt

 

OLHAR A ATUALIDADE

 

NOVA PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO (PSI)

 

A nova Prestação Social para a Inclusão (PSI), promovida pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Social, pretende resolver a dispersão existente nos apoios às pessoas com deficiência. A introdução da nova prestação fará desaparecer as prestações já existentes, sendo que, em alguns casos, as pessoas que já usufruem desses rendimentos transitarão diretamente para o novo regime. É, no entanto, garantido que no novo regime ninguém ficará a receber menos do que recebe atualmente.

A nova prestação terá três componentes: Base, Complemento e Majoração, cuja introdução será faseada entre 2017 e 2019. A componente Base deverá entrar em vigor a 1 de outubro de 2017 e irá abranger os cidadãos com deficiência entre os 18 e a idade de reforma, desde que a incapacidade tenha sido atestada até aos 55 anos de idade. A componente Base garante a cada cidadão com grau de incapacidade superior a 80% um subsídio mensal de 260 euros, independentemente dos rendimentos auferidos. Os cidadãos com deficiência entre 60% e 79% também terão esta Componente Base, mas o seu valor dependerá de outros rendimentos que tenham.

As componentes de Complemento e Majoração têm entrada prevista em 2018 e 2019, respetivamente. O Complemento destina-se às pessoas abrangidas pela Componente Base e vai funcionar com uma lógica semelhante à do Complemento Social para Idosos ou o Rendimento Social de Inserção. A componente de Majoração destinar-se-á a comparticipar alguns tipos de despesas realizadas pelas pessoas com deficiência.

Ao longo do mês de março ocorreram em Lisboa, Coimbra e no Porto, três sessões públicas de esclarecimento promovidas pelo Ministério do Trabalho e da Segurança Social para esclarecimentos relativos a esta prestação.

 

CONHECE A AUDIODESCRIÇÃO DA RTP?

 

A audiodescrição é uma adaptação de um conteúdo visual, com o objetivo de o tornar acessível a pessoas cegas ou com baixa visão. No caso da televisão, um locutor faz a descrição áudio de cenas ou imagens do programa, não percetíveis pela pessoa com deficiência visual, e essa descrição é depois emitida durante os silêncios do conteúdo televisivo, nos momentos em que não há personagens a conversar.

Este recurso de inclusão cultural, pretende tornar a televisão, um meio tecnológico composto por áudio e vídeo, o mais acessível possível às pessoas cegas ou com baixa visão, que podem assim acompanhar os programas em conjunto com os seus familiares e amigos de uma forma inclusiva.

A audiodescrição de alguns programas da RTP é emitida a partir da frequência de Onda Média da Antena 1. A imagem é transmitida pela televisão e o som do programa juntamente com o som da descrição das cenas e/ou imagens é transmitido, em simultâneo, pela rádio, ajudando a pessoa cega a compreender melhor o que está a ser emitido naquele programa de televisão.

Este modelo, não tem quaisquer custos adicionais. Requer apenas uma televisão e um rádio (mesmo um pequeno transístor) e está disponível a todo o público.

Fonte: www.rtp.pt

 

LIVRO DE RECLAMAÇÕES ELETRÓNICO ENTRA EM VIGOR A 1 DE JULHO

 

A partir do dia 1 de julho passa a ser mais fácil para os deficientes visuais apresentar reclamações referentes aos serviços de fornecimento de gás, água, luz e serviços postais e de comunicações, uma vez que deixa de ser necessário deslocarem-se aos respetivos serviços para pedir o livro de reclamações.
As queixas podem passar a ser feitas através da Internet, pelo novo Livro de Reclamações Eletrónico.

Da mesma forma, fica facilitado o acesso por parte dos deficientes visuais ao livro de reclamações amarelo, o modelo de queixa aplicável ao setor público, já que o Governo aprovou a redução do número de cópias em papel e alargou a utilização das plataformas que suportam a versão eletrónica do mesmo livro.

 

OLHO CLÍNICO por Dra. L. Santana Silva (oftalmologista)

 

GLAUCOMA

 

Comemorou-se no dia 12 de Março o Dia Mundial do Glaucoma. A semana de 12 a 18 de Março foi dedicada a chamar a atenção para esta doença, que é a segunda causa mundial de cegueira.

Estima-se que, na Europa, existam aproximadamente 7 milhões de pessoas afectadas por esta doença que é considerada a causa mais importante de perda irrecuperável da visão.

Trata-se de uma doença traiçoeira, que não dá sintomas na fase inicial e que pode evoluir até fases muito avançadas sem que a pessoa tenha consciência.

O termo glaucoma designa um conjunto de situações em que existe lesão do nervo óptico.

A pressão ocular elevada é o factor de risco principal para o seu desenvolvimento. Existem ainda factores vasculares que podem ser  responsáveis pelas alterações no nervo óptico.

Nem todas as pessoas que têm uma tensão ocular alta desenvolvem glaucoma. O aparecimento deste depende do valor de tensão ocular que o olho da pessoa consegue tolerar. O glaucoma só pode ser diagnosticado por um exame médico oftalmológico, pelo que se recomenda a consulta periódica de Oftalmologia, sobretudo a partir dos 45 anos.

Sem tratamento as lesões provocadas pelo glaucoma conduzem à perda irrecuperável da visão e à cegueira, pelo que é fundamental que esta doença seja detectada na sua fase inicial.

 

Existem vários tipos de glaucoma:

 

  • Glaucoma de ângulo aberto, o mais frequente, que não dá quaisquer sintomas nas fases iniciais.
  • Glaucoma de ângulo fechado ou glaucoma agudo apresenta-se com um quadro de dor ocular, dor de cabeça, náuseas, vómitos, visão de halos corados à volta das luzes e visão enevoada. Esta situação tem que ser tratada com muita urgência, para que seja possível preservar a visão.
  • Glaucoma de baixa tensão, assim designado porque a tensão ocular é normal.
  • Glaucoma congénito que é raro. A criança nasce com olhos grandes, com córneas opacas e lacrimejar acentuado devido à existência de uma alteração na anatomia do globo ocular.
  • Glaucoma secundário a outras patologias.

 

São factores de risco para o aparecimento desta doença a idade superior a 40 anos, a existência de casos de glaucoma na família, a presença de miopia, de diabetes e a raça negra.

O glaucoma é uma doença crónica e uma vez diagnosticado tem que ser tratado e vigiado para sempre.

Na maioria dos casos o glaucoma trata-se com terapêutica médica, (colírios e medicação oral). Quando não se consegue controlar a progressão da doença, com a terapêutica anterior, pode ser necessária a utilização de laser ou cirurgia.

A medicação utilizada pode, nalguns casos, ter efeitos secundários, como por exemplo ardor, olhos vermelhos e boca seca, entre outros.

Por ser uma doença que, na sua forma mais frequente, não dá sintomas, os doentes por vezes esquecem-se de fazer o tratamento ou suspendem-no devido aos efeitos acima referidos.

É muito importante que o doente não pare a medicação, para que as lesões provocadas pelo glaucoma não se agravem. O tratamento deve ser continuado e se existirem efeitos secundários deve procurar o seu médico, para avaliar a possibilidade de encontrar um tratamento que seja melhor tolerado.

 

VOZ DO ASSOCIADO por Alice Teixeira (soc n.º 2)

 

Confesso que o tema que aqui trago, como proposta de reflexão e partilha, não foi a minha primeira escolha. Esse vinha carregado duma perplexidade, a que pouco faltava para ser revolta, tal era a falta de ética e o desrespeito que sobressaíam do caso que o inspirou. Mas os computadores (e sobretudo a aselhice de alguns que deles se servem) às vezes pregam as suas partidas, de modo que o texto, descascando num dado organismo deste país à beira mar plantado, pura e simplesmente, desapareceu do mapa da minha indignação, que é como quem diz, dos ficheiros do meu querido e velho computador. Não querendo ver neste acontecimento o dedo da Providência, mesmo que fosse o mínimo, decidi, contudo, desviar o indicador e apontá-lo noutra direção. Afinal os dezassete anos e os panfletos, clamando por justiça e liberdade, escondidos no cano das botas, tinham, há muito, ficado lá atrás. Depois, nada como um banho de natureza para clarear a mente e o coração e nos fazer perceber que há coisas que nada mais valem do que um encolher de ombros.

Concluí-o, sentada numa pedra que me devolveria algum alívio aos pés, doloridos já pela sinuosidade irregular da trilha que me haveria de levar ao topo da serra, naquela manhã, em que a neblina madrugadora se preparava para deixar brilhar o sol. Observei então um casal que, vindo precisamente daí, se aproximava, descendo os degraus, toscamente talhados, exibindo um sorriso cúmplice e solidário, donde saiu um encorajador “Falta pouco e vale mesmo a pena! A Vista é espetacular!”.

Lembrei-me de um outro casal, com quem também cruzáramos uma meia hora antes, que nos saudou jovialmente, com aquele ar de quem decidiu trancafiar as preocupações bem longe do aqui e agora. “Não vão arrepender-se. A vista é incrível!”.

E era, de facto, espetacular e incrível, mas espetacular e incrível era também o rumor da água nas nascentes, refrescando-nos a garganta e o coração, tornando-se murmúrio lá, mais em baixo, quando conseguia ser fonte, ou quando, mais em baixo ainda, elevava a voz, ousando, timidamente, ser cascata; mas espetacular e incrível era também o sussurro do vento nas árvores, percorrendo-lhes a folhagem, surripiando-lhes os cheiros que generosamente distribuía pela frescura límpida da manhã; mas espetacular e

incrível era também o som que se desprendia do ar, cheio da música dos pássaros e dos insetos, a que não faltava um longínquo balido de ovelhas, nem o badalar do tempo, na vila ao fundo; mas espetacular e incrível era também a carícia quente do sol e do vento, afagando-nos o rosto e a alma. Uma verdadeira festa para os sentidos!

Não pude impedir-me de pensar nos casais que havíamos encontrado e em como, muito provavelmente, eles só teriam convocado um, para aquela festa e, se calhar, mais no afã de o pôr ao serviço da lente duma qualquer objetiva que escancarasse aos “amigos faceboquistas” os seus lazeres, ou, então, “para mais tarde recordar”. Pensei ainda que aqueles casais poderiam bem ser o paradigma de um bom número de pessoas que suportam as suas vivências no sentido da visão, esquecendo-se que há, pelo menos mais quatro, à espera de serem chamados.

No Universo das pessoas com deficiência visual, no qual eu me incluo, ainda há pessoas que afirmam, por exemplo, que não vale a pena viajar porque não veem. Ora, ainda que fatores de ordem psicológica possam explicar, em certa medida, aquele ponto devista, cabe a cada um redescobrir-se no meio de todos os seus sentires e sentidos e repensar-se como um todo. Viver-se uma vida centrado no que não se tem não é percorrê-la, é rastejar por ela; reduzir a capacidade de ver a um órgão, isso sim, é a verdadeira cegueira.

A propósito de tudo isto, veio-me à lembrança um episódio passado há meses. Estava eu numa pequena feira, quando, por entre as vozes que se confundiam no ar, tentando passar as mais variadas mensagens, eu distingui uma que me era familiar. Então, voltando-me para o Fernando, disse: “Está ali fulano.”. “Onde?”, perguntou ele olhando em volta. “Onde?”, insistiu. “Ali, naquela direção.”, apontei. “Ah, pois está! Como é que o viste?” “Vi-o com o ouvido.”, respondi. “Cusca!”, disse ele, por entre um sorriso.

Mas ver, ver de verdade é muito mais que olhar, mesmo porque, como diz Exupery, “o essencial é invisível para os olhos.” e, como afirma o povo na sua sábia simplicidade, ”cego não é aquele que não vê, é o que não quer ver.”.

 

ARP

Associação de Retinopatia de Portugal

 

OFTALMOLOGIA

BAIXA VISÃO

ORTÓPTICA

PSICOLOGIA

REABILITAÇÃO

 

“TRABALHAMOS POR SI DE OLHOS NOS OLHOS!”

 

FICHA TÉCNICA

Edição e Sede – ARP, Rua Quinta do Cabrinha, 7C 1300-906 Lisboa

Contactos – Telefone: 213660167 Fax: 213660169  Telemóvel: 933660167

Website: www.retinaportugal.org.pt

E-mail:  pontodevista@retinaportugal.org.pt

Coordenação – Ricardo Aires      Layout – Vanessa Luís      Revisão – Cláudia Guerreiro

Redação – Ricardo Aires, Cláudia Guerreiro e Sandra Cação

 

(c) 2017 Ponto de Vista, Todos os Direitos Reservados. Todo o conteúdo desta revista não pode ser replicado, copiado ou distribuído sem autorização prévia.

Os textos deste boletim foram escritos ao abrigo do novo acordo ortográfico.

A ARP não é responsável pelo conteúdo dos anúncios nem pela exatidão das características dos produtos e/ou bens anunciados. A respetiva veracidade e conformidade com a realidade são da inteira responsabilidade dos anunciantes.

Esta edição encontra-se disponível em formato PDF, digital ou impresso. Poderá também aceder através do site www.retinaportugal.org.pt